Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

ACTRIZES – Cara Delevingne é muito mais do que uma modelo ou actriz, é um ícone carismático, da geração millenial… Em pouco tempo, tornou-se um ícone para a geração millenial e para a indústria da moda em geral… Até um dia decidir deixar tudo e se dedicar ao cinema. Embora a sua atitude permaneça a mesma. Cara não cala a boca. Nem sequer corta um cabelo.

Ou, pelo contrário, rapa o cabelo por completo – como o fez devido às demandas do filme que protagonizou, no qual interpretou uma doente com cancro – e que serve, mais uma vez, para mostrar rebelião e questionar os cânones impostos. «É cansativo que te digam como deve ser a beleza. Estou cansada da sociedade definir o beleza por nós”, escreveu na altura Cara Delevingne nos média sociais em resposta às críticas que estava a receber.

Ela também não escondeu a sua bissexualidade, as suas tatuagens ou as suas sobrancelhas – é seu selo pessoal – ou quão pequena se tornou a profissão de modelo em 2015, com apenas 23 anos e depois de ter conseguido tudo. Foi quando decidiu sair das passarelas.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Tudo começou muito cedo: aos dez anos ela já posava com o fotógrafo Bruce Weber para a edição italiana da Vogue. Era algo que se vinha adivinhando e que poderia acontecer a qualquer momento. «O que me incomoda é quando recebo as mensagens de meninas no Twitter que dizem:“ És meu ídolo, eu adoro-te”. Adoram-me? Porquê? Não é que protagonizar uma campanha para a Burberry ou desfilar pela Chanel não signifique nada. Eu sei que posso fazer mais do que ser modelo”, disse ela.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Dito e feito: no seu trabalho como actriz, em Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, um filme de ficção científica dirigido por Luc Besson no qual Cara Delevingne interpreta um dos papéis principais. «Foram seis meses de filmagem, trabalhando todos os dias e treinando para cenas de acção. As lutas foram coreografadas por especialistas e eu simplesmente adorei. Adoro lutar”, disse a actriz. Também disse que, numa das cenas, bateu num dos seus companheiros de equipa com demasiada força e acabou a sangrar. Embora, para além desse pequeno incidente, ela reconheça que se divertiu muito.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

E tem mais, porque na sua vida intensa ainda teve tempo de escrever um romance, “Mirror, Mirror”. «É uma história de iniciação distorcida sobre amigos de 16 anos: Red, Leo, Naima e Rose, que estão a tentar entender quem são e navegar pelo campo de minas que é escola e as relações. Até que tudo muda um dia», disse Cara Delevingne no seu Instagram.

Porque não há nada que pare Cara Delevingne. Ele pensa, como Jessica Chastain, que “para uma mulher não há nada impossível”. Embora para alguns o impossível seja acreditar nesta afirmação. Mas a pequena Delevinge está-o a provar.

A infância difícil de Cara Delevingne

Algo, ou muito, ela saber sobre as preocupações da adolescência, uma vez que nem aquela fase da vida nem a infância foram fáceis, apesar de ter sido criada no exclusivo bairro londrino de Belgravia. O seu pai, Charles Delevingne, é um importante promotor imobiliário e descende da aristocracia, enquanto a sua mãe, Pandora, também pertence à alta sociedade britânica e é filha de uma dama de companhia da princesa Margarida. Além disso, Cara Delevingne teve dois padrinhos excepcionais: a actriz Joan Collins e Nicholas Coleridge, então directora do grupo editorial britânico Condé Nast, Vogue ou Vanity Fair.

Mas o panorama não foi tão idílico quanto possa parecer. A sua mãe era viciada em heroína há anos. “Às vezes eu estava tão doente que não conseguia cuidar das minhas filhas, o que era uma agonia para mim”, disse Pandora. Na adolescência, quando Cara descobriu os problemas da mãe, sofreu uma depressão. “Não aguentava. Percebia o quão sortuda e privilegiada era, mas eu só queria morrer. Sentia-me muito culpada e me odiava-me”, mencionou outrora à edição em inglês da Esquire.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Aos 16 anos teve que deixar a escola temporariamente para se tratar e, um ano depois, decidiu seguir os passos da sua irmã Poppy, também modelo, e iniciar uma carreira no mundo da moda.

Após esse episódio depressivo, houve outros. A actriz falou em mais de uma ocasião dos seus impulsos auto-destrutivos ou da sua personalidade viciante que ela afirma ter focado no trabalho.

No entanto, a atitude que a tornou famosa não tem nada de triste ou tortura. Muito pelo contrário. Se Cara Delevingne se destaca por algo, além das sobrancelhas e sinceridade, é por causa da sua atitude travessa e pelo seu desejo de se divertir. “Quando eu comecei, a imagem das modelos era muito diferente e um pouco esticada, ninguém se atrevia a divertir ou estava disposto a sorrir”, disse ao The Guardian em 2014.

Perante isso, optou por dramatizar, fazer mil rostos à frente da câmara ou “estourar” (photobomb) as fotos de outras pessoas nas festas mais sofisticadas e sair de surpresa das mesmas fazendo algumas brincadeiras.

Cara Delevingne, “uma espécie de génio”

Cara Delevingne “é uma espécie de génio”, disse na altura Karl Lagerfelfd pela sua capacidade, até então inédita, de misturar senso de humor e glamour. Talvez essa seja também a chave pela qual ela atrai tanto o público jovem, que segue todos os dias as suas mensagens no seu Instagram, onde possui mais de 40 milhões de seguidores. Ou como ela uma vez presumiu: “Eu posso me divertir em qualquer lugar”.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Mas em 2015, quando Cara Delevingne se  tornou a segunda modelo mais bem pago do mundo, segundo a Forbes, logo atrás de Giselle Bundchen, ela decidiu deixá-lo. Adeus a nove milhões de dólares por ano e à eterna comparação com Kate Moss.

Não, Delevingne não seguiria os passos da seu compatriota, nem se tornaria o ícone da moda britânica com uma maneira diferente e um tanto excêntrica de fazer as coisas, como a entrevista em que disse: “Eu adoraria dar um murro num fotógrafo. Realmente ficaria muito feliz e sonho com isso à noite”.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Cara Delevingne foi igualmente explícita ao contar as razões dessa decisão drástica que ninguém esperava. Para o fazer, não recorreu a uma publicação especializada em moda ou no mundo do entretenimento, mas no sério e prestigioso The Times, quase como se fosse uma questão de estado. Lá, falou sobre como se sentia mal, o assédio que sofrera ou os efeitos físicos que o stress exercia sobre ela, como a psoríase que sofreu durante algum tempo…

“As pessoas calçavam luvas, não me queriam me tocar porque achavam que eu tinha lepra”, disse ele sobre as sessões de maquilhagem que passou para cobrir as feridas. Embora a coisa tenha ido muito além: «Não foi um bom estágio. Era como lutar e lutar durante meses, constantemente no limite. Também era um problema mental, porque se te odeias, o teu corpo e a tua aparência, isso só pode piorar.

Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial

Dar esse passo deve ter sido libertador, embora Cara Delevingne estivesse ciente dos preconceitos que iria encontrar. «Eu sabia que teria que lutar muito para conseguir. Há esse estigma e as pessoas pensam: “É um modelo, não pode actuar, não te queremos nos filmes” », reconheceu.

Mas foi respeitada pela crítica, até colocou certas expectativas no seu trabalho e não faltaram projectos para a grande tela. Além de Valerian e a cidade dos mil planetas, há outros filmes. E se não funcionar, sempre pode tentar com a sua outra vocação, a música. Até deu alguns passos.

Embora Delevingne, para já, se prefira concentrar e despejar toda a sua energia no cinema.

Imagens: divulgação Cara Delevingne: um ícone carismático da geração millenial .  .
Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados