Casais swingers consideram que prática melhora a relação

Casais swingers consideram que prática melhora a relação

Casais swingers consideram que prática melhora a relação

Mais de 70% dos casais considera que a relação ficou mais feliz e satisfatória em termos emocionais e sexuais desde que se iniciaram no swing, revela um inquérito realizado pela Flame Love Shop. A maioria teve o primeiro contacto com este universo através da Internet/apps ou de casais amigos.

Apesar de ser considerado um universo pouco conhecido, já todos ouvimos falar de swing, uma prática sexual em que um casal procura uma pessoa ou outro casal para participar em relações íntimas. De acordo com o tipo de práticas – que podem envolver a troca de casais, o sexo em grupo ou a observação – o swing pode ser “soft”, quando se limita apenas a carícias, ou “full”, ao incluir actos sexuais.

Para avaliar a percepção e a vivência desta prática, a Flame Love Shop, que presta informação e reencaminha os casais para os meios mais adequados, através de parcerias estabelecidas, realizou um inquérito em que participaram homens e mulheres entre os 21 e os 65 anos. Larga maioria dos inquiridos praticantes considera que o swing resultou na melhoria da relação em termos emocionais (73,1%) e sexuais (80,8%), com apenas 7,6% a evidenciar um sentimento contrário relativamente à experiência.

Casais swingers consideram que prática melhora a relação

Apesar de 30,8% ter tido o primeiro contacto com este universo através de casais amigos/conhecidos e de 26,9% através de um clube de swing, são em maior número aqueles que escolhem as novas tecnologias. 34,6% encetaram mesmo os contactos iniciais através da Internet ou de aplicações.

Em termos de práticas, 38,5% dos inquiridos trocou de parceiro logo na primeira vez – prática que é também a preferida de cerca de 58% dos casais -, 19,2% sexo em grupo – preferência de 30% dos casais -, 19,2% observação e outros 19,2% troca de carícias.

Cerca de 39% dos casais procuraram o swing por curiosidade, 27% para quebrar a rotina e pouco mais de 23% com o objectivo de aumentar o prazer sexual. Quando questionados sobre qual o elemento do casal que tomou a iniciativa, mais de 60% aponta ter sido uma ideia de ambos os parceiros, perto de 31% do homem e apenas 8% da mulher.

Entre os que declararam nunca ter tido experiências swing, no total cerca de 68% dos inquiridos, pouco mais de 44% assume vir a praticar no futuro, 37% recusa totalmente a ideia, cerca de 15% gostaria mas o/a companheiro/a não quer e 3,7% assume que o parceiro/a tem vontade mas é o próprio/a a recusar. No entanto, mais de 50% acredita que o swing pode ajudar a melhorar a vida emocional e sexual do casal.

Casais swingers consideram que prática melhora a relação

6 Conselhos para iniciantes

Antes de se iniciarem no swing, “é fundamental que o casal esteja em sintonia e tenha uma relação forte”, sublinha Irina Marques, especialista em Sexologia Educacional e directora da Flame Love Shop. “A importância da comunicação ao longo de todo o processo é também um dos aspectos que realçamos a todos os casais que nos procuram com dúvidas e receios, e a quem prestamos toda a orientação inicial para que a experiência aconteça nas melhores condições”.

A especialista deixa alguns conselhos para iniciantes:

  • Avança apenas se tens uma relação forte e consolidada

Deve existir sintonia e confiança entre os elementos do casal e ninguém deve ser forçado a nada. Tem ainda em atenção que o swing não serve para salvar relações, mas sim para apimentar e quebrar a rotina.

  • Mantêm um diálogo aberto com o teu parceiro

A comunicação é o factor crucial em todas as fases do processo. Antes de avançar, o casal deve dialogar sobre as suas expectativas para não ser confrontado com surpresas menos agradáveis. É essencial que a comunicação se mantenha depois de cada experiência.

  • Define regras e limites claros

Como existem diferentes práticas no swing, o casal deve definir as suas próprias regras e limites. Por exemplo, estarem sempre no campo de visão um do outro e concordar se devem ou não beijar terceiros ou praticar sexo oral. As regras podem ser ajustadas ao longo do tempo, de acordo com as necessidades e evolução do casal.

  • Perde o receio, ninguém te vai obrigar a nada

Apesar da curiosidade, há quem nunca dê o primeiro passo por receio. Fica a saber que no universo swinger – clubes ou festas privadas – a regra mais valiosa e respeitada por todos é o “não”. Por isso, podes aceder a estes espaços apenas para observar e usufruir da excitação do ambiente, avançando para outras experiências só quando entender.

  • Escolhe um local adequado

Encontrar um local adequado ao primeiro contacto com o meio swinger é essencial. Alguns que estabelecem contactos prévios online acabam por ter a primeira experiência num ambiente mais privado, na própria casa ou de casal conhecido. Mas, quando a opção é seleccionar um clube, devem informar-se sobre as suas características e ter em atenção que os verdadeiros clubes de swing são exclusivos para casais. O acesso realiza-se, por norma, através de referências de outros casais ou contacto e registo prévio junto do espaço.

  • Tira partido das plataformas online

Existem na Internet plataformas nacionais e internacionais, onde pode inscrever-se enquanto casal. Através destas plataformas é possível pesquisar e comunicar com outros casais, de acordo com a área geográfica, interesses, preferências e características físicas. Estas plataformas dispõem normalmente de espaço de conversação e informações sobre clubes, eventos e swing na generalidade. Actualmente a plataforma com mais expressão em Portugal é a SWPT.org.

Imagens: divulgação Casais swingers consideram que prática melhora a relação .
Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados