Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus

Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus

Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus

OPINIÃO – Nos últimos meses, testemunhamos como os casos de coronavírus têm aumentado em grande número em todo o país, assim como no resto do mundo, especialmente na Europa.

Isso implica, entre outras coisas, que escolas, museus, teatros, lojas, restaurantes etc. foram encerrados. Além disso, só podemos sair para coisas essenciais, como ir ao trabalho, comprar comida, médico ou outras situações semelhantes.

Este isolamento em casa, somado ao fato de conversarmos com quem falamos, no WhatsApp, Instagram, Twitter e em qualquer outra rede social, resulta que não falamos de mais nada, pois muitas das mensagens que recebemos são catastróficas, mentiras, etc. Por isso não nos surpreende que muitas pessoas estejam a experimentar altos níveis de stress e ansiedade. Especialmente aquelas pessoas que já têm uma característica predominante para esses estados.

Existem, contudo, algumas coisas que podemos fazer para gerenciar estes níveis.

Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus
Aceite que a ansiedade possa aumentar e tolerá-la

A primeira coisa é aceitar e assumir que é mais do que possível que esta situação faça com que os nossos níveis de ansiedade aumentem. A incerteza da situação, somada ao tempo do confinamento, o medo da doença e a dúvida de quanto tempo teremos que ficar assim…é completamente normal que isso nos afete.

Saber e aceitar que isso pode acontecer será o primeiro passo para lidar com a ansiedade.

Controlarmos nós mesmos as informações que consumimos

Atualmente, podemos receber e encontrar quantas informações quisermos sobre qualquer tópico. Essa é uma das maravilhas da tecnologia, mas também pode ser um problema em momentos como hoje. Isto porque por diferentes meios somos bombardeados com infinita informação – muitas das quais nem mesmo são verdadeiras – e isso pode piorar e aumentar os nossos níveis de ansiedade.

É recomendável, nestes casos, que controlemos pessoalmente a quantidade de informação que recebemos. A recomendação nestes casos é que procuremos informações apenas nos média oficiais, como a Organização Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde ou o Centro Europeu de Controle de Doenças. Além disso, o ideal é que não procuremos informações constantemente, mas sim deixarmos momentos para nos informar apenas uma ou duas vezes por dia.

Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus
Pesquisa de dados objetivos e racionais

Uma das coisas que acontece com a ansiedade é que tendemos a ter ideias catastróficas e irracionais. Para combater isso, é importante que procuremos dados e informações verdadeiras, racionais e objetivos que nos ajudem a confrontar ideias irracionais.

Saber que estamos a fazer o que está nas nossas mãos dá-nos ações reais e objetivas que já estamos a implementar.

Manter uma rotina diária

Uma das coisas que arriscamos nesta quarentena, especialmente se não estamos a trabalhar, é deixar de lado as rotinas, viver de pijama e passar o dia no sofá. Nesses casos, para tentar lidar melhor com a ansiedade ou evitar picos, é importante manter uma certa rotina.

Levante-se nos mesmos horários, mantenha um horário regular de refeições, tenha uma certa rotina de vida e atividade durante esses dias. Além disso, é recomendável que não falemos sobre o coronavírus o tempo todo e tentemo-nos distrair e, assim, manter uma rotina de atividades que nos ajudará.

Fisicamente isolado sim, mas socialmente conectado

De fato, a recomendação é que nos mantenhamos fisicamente isolados do resto para interromper a curva de contágio. No entanto, apenas porque não podemos ver fisicamente outras pessoas ou ainda tocá-las, não significa que não nos possamos comunicar com outras pessoas.

Quando o fazemos, é novamente interessante que evitemos falar sobre o mesmo assunto o tempo todo.

Mantenha-se ativo e cuide da sua saúde

Embora estejamos em casa, é importante permanecermos ativos. Primeiro, porque isso nos ajudará a desconectar, mas também para não acabarmos por nos sentir mal no fim da quarentena. Para isso, podemos tentar realizar novas atividades, experimentar coisas novas que não tínhamos feito até agora, gastar tempo aprendendo a tarefa que não tínhamos tido tempo para aprender antes, etc.

Também é uma boa ideia praticar desportos e cuidar da nossa saúde. Podemos fazer exercícios em casa e, na medida do possível, manter uma alimentação saudável.

Marta Ferreira – Psicóloga

Imagens: divulgação Gerenciar a ansiedade de isolamento do coronavírus . .
Sem comentários ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será divulgado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.