O marketing dos influencers em tempo de crise

O marketing dos influencers em tempo de crise

O marketing dos influencers em tempo de crise

Em tempos de crise, o marketing feito pelo influencers, têm-se mostrado extremamente potente quando bem gerido, para além de, um conhecimento considerável.

Os influencers podem criar conteúdos persuasivos para ajudar as marcas nas suas apostas digitais, com a intenção de manter a confiança, a fidelidade e o poder de compra do consumidor, especialmente, nos tempos em que comprar hábitos e necessidades estão sempre a mudar. Podem incitar as vendas através do comércio online e, fazer sentir ao consumidor, a sensação de uma nova e larga economia feita em casa.

O marketing dos influencers em tempo de crise

Os influencers têm a capacidade única de alcançar o público das ditas marcas, através dos vários dispositivos e plataformas em que estes estão virados, para informar, divertir e relacionar.

Os influencers oferecem às marcas uma forma de assegurar o acesso aos produtos e serviços em que confiem, permanecendo seguros e a seguir as directrizes de segurança da DGS.

A economia do “ficar em casa”

A disseminação do Covid-19 vai continuar a afectar profundamente o comportamento dos consumidores no poder de compra, com repercussões a longo prazo, mesmo se a propagação do vírus diminuir. Com o surgimento “novo e normal” de uma economia realizada em casa, os influenciadores estão posicionados unicamente para captar a atenção do consumidor: desde o que encomendar e onde comprar online; grandes despensas alimentícias em casa; entreter e ensinar as crianças fora da escola; o que vestir em tempos de austeridade económica; poupar dinheiro; e outros milhares de pensamentos e angústias que surgem na cabeça dos consumidores. Agora, mais do que nunca, os consumidores vão–se virar para as redes sociais em busca de conteúdo, conforto e criatividade.

Veremos um forte crescimento na compra online e no consumo de suportes digitais enquanto os consumidores e os seus filhos, quiserem manter-se alimentados. Mais, teremos milhões de trabalhadores que se ajustarão ao teletrabalho, muitas vezes com as distracções adicionais das circunstâncias que deixam à entrada, todas as manhãs. Os números crescentes enfrentarão, também, o desemprego, ambos da incapacidade ao efectuar o trabalho não só remotamente, mas também devido ao impacto duradouro. Esses encerramentos vão ter consequências sobre vários negócios através o país. Quer seja, de alto risco ou não, toda a gente vai passar por grandes perturbações por um prazo indeterminado devido ao Covid-19.

O marketing dos influencers em tempo de crise

Estamos, agora, a viver numa altura, onde temos a sensação que a vida foi cancelada. As pessoas precisam realmente e sentem–se quase desesperadas por conteúdos para absorver, e que contrariem a normalidade. Pergunta aos teus amigos e familiares, verás como a maioria levanta o braço neste ponto. Numa altura como esta, a estratégia é mais importante do que nunca.

Muitas marcas serão relutantes quanto ao gasto em termos de publicidade habitual e social relacionado, em particular, às questões das cadeias de fornecimento atrasam ou deixam de importar os seus produtos no mercado. É primordial as marcas guardarem uma forte afinidade com os seus consumidores. Será igualmente (ou possivelmente mais) importante, manter uma parceria com os consumidores para ver um êxito nos expositores virtuais. As marcas precisam de respeitar isto, a fim de serem elas também, respeitadas pelo consumidores.

O marketing dos influencers em tempo de crise

As marcas querem estar na conversa e não ser motivo de conversa.

As marcas não se querem afundar nas conversas dos consumidores e para isso, lutam para saber, de forma inteligente, como voltar em grande. Será aí onde os influencers jogarão um papel importante e, também onde, a estratégia, o conhecimento e as equipas colaboradoras com os influencers, mostram o que valem. Ter uma equipa ou um aliado neste panorama fornece uma resposta, ao que um individuo ou o sistema não podem repetir.

Já estamos a assistir a marcas que, gradualmente, se orientam no marketing de “influencers” como forma de manter a fidelidade da marca, afinidade e intenção de compra.

E-commerce/comércio online

O shopping online, comprovado pelo domínio da Amazon, permanece incrivelmente conveniente e vai, agora, surgir na cabeça do consumidor como essencial. Como a Amazon que contratou mais de 100 000 novos funcionários para manter os seus armazéns e entregar as mercadorias aos consumidores, outros serviços de entregas de comida low cost, veremos uma forte aparição de trabalhos de entregas ao domicílio, na economia. Fora a recolha imposta pelo governo, veremos os condutores da Uber ou Glovo a trabalhar o dobro para entregar compras, take-away e encomendas online. A própria Amazon já fala em entregas por drone, para o dia-a-dia do consumidor, que mais parece um conceito de ficção científica.

Os influencers vão impulsionar, vigorosamente, as vendas online e vão–se mostrar uma componente fundamental. Isto porque as lojas de rua e os centros comerciais estão encerrados temporariamente, tal como a circulação pedonal e o encerramento das grades das lojas, durante este tempo de distanciamento social.

Comida

Grandes cadeias como a Walmart estão veemente dedicadas aos serviços de entrega de compras online e terão tendência em ficar, cada vez mais normal, já que os consumidores têm que ficar dentro dos carros enquanto os funcionários carregam os artigos comprados anteriormente. Isto acalma a angústia sobre estar exposto nas lojas, do mesmo modo que, a habilidade de apanhar produtos perecíveis como os fabricados, lacticínios, e vegetais frescos.

Como os restaurantes têm as suas portas ao público, veremos um interesse contínuo para o take-away em jantares nos restaurantes e, isto, apenas nos primeiros dias. Já vimos a grande tendência dos restaurantes, ao longo deste último ano, a criar um serviço de take-away e isto só acelera esta tendência. As companhias de serviços de entrega online como o UberEats ao Glovo suspenderam as taxas adicionais para ajudar os restaurantes locais, de ir à falência. Fora o aumento da responsabilidade social e da solidariedade, muitas pessoas irão escolher para manter os negócios locais, o take-away e prendas patentes.

Bloggers de receitas e comidas começaram a ver uma subida dramática, no fluxo e compromissos, à volta das suas publicações. Isto continuará altamente a crescer, já que, no geral, a gente cozinha a maioria dos pratos deles.

Tendências e co-existência

Hoje, estamos a lançar um grande inquérito na nossa comunidade de influencers- todos aprovados e de convívios duradouros com a nossa equipa. Vou apresentar brevemente as vantagens do crescimento desta tendência- desde à onda de impressões aos compromissos, já que o pessoal está ligado às redes sociais; às mudanças de padrões, das parcerias das marcas.

Entretanto, esperem para ver e explosão de “boas histórias” da harmonia da sociedade durante o confinamento e das companhias que salvaram as comunidades que servem.

Imagens: divulgação O marketing dos influencers em tempo de crise . .
Sem comentários ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será divulgado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.