O (pior) efeito Kardashian que domina as jovens na actualidade

O (pior) efeito Kardashian que domina as jovens na actualidade

O efeito Kardashian que domina as jovens na actualidade

CELEBRIDADES – Com o interlocutor das redes sociais como protagonista está-se a viver uma explosão de procedimentos cosméticos não invasivos para as jovens a partir dos 16 anos de idade.

O seu reino não é deste mundo, sim da estética e injectáveis. Nenhuma das Kardashians se livra de ter modificado o seu corpo para ter sucesso nos médias sociais. Todas transformaram a sua beleza física em ferramenta de trabalho, no produto que vendem no mercado, daí a mutação dos seus “looks”. A sua decisão de negócios tem, no entanto, implicações mais perturbadoras para os seus milhões de seguidores. Não nos podemos esquecer que os seus fãs mais que duplicam a população dos Estados Unidos. A sua influência é enorme.

A Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética tornou público o facto de que entre 2011 e 2016 aumentou em 87% o uso da toxina botulínica, o produto é injectado para alcançar efeitos imediatos sobre o rosto. Este aumento tem tudo a ver com a explosão de procedimentos cosméticos não invasivos para jovens a partir dos 16 anos, que agora fazem fila nas clínicas para conseguir o rosto e o corpo perfeito para mostrar nas suas selfies. Para o Dr. Simon Ourien, um dos médicos que mudaram o rosto de Kim Kardashian, o fenómeno é explicado pela ascensão entre as “Millennials” das Kardashian-Jenner.

O (pior) efeito que domina as jovens na actualidade

“Não consigo pensar noutras celebridades que tenham mais impacto nas rede sociais ou na cultura em geral do que esta família”, explica o Dr. Ourien. “Este ponto não é discutível: é uma realidade. Quando as jovens vêm ao meu escritório, elas pedem-me as nádegas de Kim, os lábios de Kylie… Querem fazer um puzzle. É uma loucura”. Na sua opinião, estamos diante de um fenómeno a longo prazo. “Tem a ver com a cultura narcisista imposta pelas redes sociais. Se não estivessem aí as Kardashians estariam outras”.

O pedido da “grande curva”

Isso foi exactamente o que fez há alguns meses Elena Alemany. Jovem e bonita, mas enjoada com as nádegas com as quais veio ao mundo, um dia disse aos pais que estava a pensar em fazer uma cirurgia. “A verdade é que quando eu disse à minha família, ficaram horrorizados com a ideia. Então, quando me viram convencida do que ia fazer e me acompanharam ao médico, ficaram mais calmas e apoiaram-me em tudo”, afirma. Confessa que o pós-operatório foi doloroso – durante a primeira semana não se podia sentar e levou mais duas para voltar ao trabalho “com cuidado para não me dar qualquer golpe” – mas admite que está tão satisfeita com os resultados que não descarta fazer algum retoque no futuro.

O efeito Kardashian

Os sociólogos reúnem-se para mencionar que essa febre repentina de possuir e mostrar umas nádegas proeminentes tem muito a ver com a ideia de que mais nádegas, mais sexo.

Ivan Manero, especialista em operações a transexuais e director de uma das mais avançadas clínicas de cirurgia plástica na Europa, acredita que existem dois tipos de pressão social sobre as mulheres: a que a leva a querer gostar ás outras mulheres, o que as converte em mulheres frágeis e andrógenas, e aquela que procura agradar ao homem.

As jovens na actualidade

A maioria dos homens odeia a mulher magra

“Está claro que a maioria dos homens odeia a mulher na passarela da alta-costura. A maioria prefere um desfile da Victoria’s Secret ”, diz, lembrando que há milhares de anos as nádegas eram um símbolo de fertilidade entre os primatas até começarem a andar e a natureza dotou as fêmeas de um peito redondo e dotado. «Mas o glúteo, “a grande curva”, ainda é uma reivindicação. Além disso, a beleza é absoluta e está relacionada com a sexualidade. A mesma coisa acontece com o resto dos animais, até mesmo com as flores, que se abrem e ficam bonitas quando são tocadas», diz o especialista, em cujas mãos centenas de pacientes foram colocados na última década.

O (pior) efeito Kardashian

O que ninguém contesta é que, de há algum tempo a esta parte, muitas mulheres transformaram as suas nádegas em marca registada e outras, como a esposa orgulhosa do rapper, numa máquina de dinheiro.

Parece uma piada. Dezenas de mulheres temendo aquele momento fatídico em que seriam forçadas a escolher entre o rosto e o traseiro, e agora a mulher pode-se dar ao luxo de ter tudo…E estar na moda.

Imagens: divulgação O (pior) efeito Kardashian que domina as jovens na actualidade  .
Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados