Será a moda sem género o futuro do design?

Será a moda sem género o futuro do design?

A moda sem género está nas passarelas e já chegou às lojas. Será que se vai tornar no futuro do design?
Ficarão rapidamente obsoletos os termos “moda para mulheres ou homens”?

A classificação clássica de género é algo do passado. Já não existem apenas dois para os jovens nascidos depois dos millenials. As novas gerações vivem com maior liberdade e naturalidade, o que chamamos de opções. Elas não escolhem, eles fazem. Sem medo de experimentar ou expressar como se sentem à medida que evoluem, procuram entre tudo o que está disponível, o que os faz sentir-se melhor.

A moda e os designers sabem disso e há muito tempo que o colocam em prática. Vestir roupas femininas num homem ou sentir-se confortável em ambas ou em nenhuma é um recife para uma indústria sempre camaleónica que reúne tendências sociais em tempo real.

Será a moda sem género o futuro do design?

De acordo com um relatório da Trendwatching.com, “Pessoas de todas as idades em todos os mercados estão a construir as suas próprias identidades com mais liberdade do que nunca. Como resultado, os padrões de consumo não são mais definidos pelos segmentos demográficos tradicionais, como idade, sexo, localização, renda, status familiar, etc”.

A moda com letras maiúsculas é avançada

Alessandro Michele, andrógeno e barroco em partes iguais, surpreendeu na sua estreia pela Gucci em Milão. A marca, que precisava de um novo ponto de vista e passarelas mais ousadas, após o estágio hiper-sexualizado de Tom Ford, vestiu-se, penteou e maquilhou com igual estética homens e mulheres, transcendendo diferenças de género, quebrando estereótipos.

Será a moda sem género o futuro do design?
…e as marcas para todos os bolsos, copiam

O boom da tendência desportiva, rapazes e raparigas que compartilham modelos de fatos de treino e sapatilhas, teve muito a ver com esse avanço da moda, em termos de marcas de roupas para o dia a dia e no que se refere a fast fashion.

Experiências nos grandes armazéns do mundo

Num artigo do Business of Fashion, encontramos algumas novidades que já são uma realidade. “Trata-se mais de roupas bonitas que são raras e especiais, estas peças são estilisticamente menos rígidas para se ajustar à definição de masculino versus feminino”, diz Tom Kalenderian , vice-presidente executivo e director geral para homens em Barneys, Nova Iorque.

Os grandes armazéns britânicos da Selfridges lançaram uma ideia inovadora: Agender, uma secção experimental, neutra em termos de género, que abrange três andares da sua loja em Londres e fará o mesmo nas suas lojas em Birmingham e Manchester. Os dados recolhidos pela Selfridges antes de o tornar realidade, mostraram que “muitas mulheres compram nos pisos masculinos”, segundo Linda Hewson, directora criativa dos famosos armazéns.

Agender inclui produtos de uma ampla secção de compras na loja. “O modelo tradicional de lojas de departamento tem muito a ver com as categorias, os pisos dos homens e os pisos das mulheres. Quisemos criar espaço através deles. Há desde o streetwear ao avant-guarde porque o interessante é atravessar diferentes preços e categorias”, acrescenta Hewson.

Será a moda sem género o futuro do design?

Talvez esse seja o futuro. Mais fluidez nos projectos. Linhas disformes e poucas diferenças entre as colecções. Talvez se comece a criar tendo mais presente a identidade e personalidade, do que o género. Embora isso possa representar desafios significativos, como escultura ou criação de padrões.

Mas e nas lojas? Estamos nós, os consumidores preparados para esquecer os códigos de género que dominam a maneira como nos vestimos há séculos e estamos dispostos a comprar no mesmo espaço, sem qualquer problema?

A mudança já está em andamento.

Estou muito interessado na vossa opinião. Espero-vos nos comentários para saber o que pensam sobre este interessante debate  que se nos apresenta.

Miguel Teixeira

Imagens: divulgação Será a moda sem género o futuro do design? . .
Sem comentários ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será divulgado.

Pode utilizar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.