O que seria da moda sem a comunidade LGBT?

O que seria da moda sem a comunidade LGBT?

Sem qualquer margem para dúvida que a sensibilidade de muitos homossexuais é responsável por grandes transformações na história da moda. De facto, a moda como a conhecemos hoje não existiria se não fosse pela criatividade e influência das pessoas da comunidade LGBT. Estilistas, designers e personalidades da moda LGBT são o coração da indústria.

A moda é um dos mais importantes meios de expressão da identidade, como resultado, muitos dos nossos momentos favoritos na cultura pop, cinema e eventos, mesmo acontecimentos políticos, não teriam sido possíveis sem as contribuições da comunidade LGBT.

A história da moda e sua intersecção com a “queerness” vai muito além dos 10 momentos que destacamos abaixo.

Poderiam imaginar viver num mundo sem o soutien de cone da Madonna, apresentado em 1990 e desenhado por Jean-Paul Gaultier? Ou qualquer coisa que Sarah Jessica Parker usou como Carrie Bradshaw em “Sex and the City”?

Em homenagem ao Mês do Orgulho Gay, compartilhamos estes momentos, apesar de reconhecer que faltam muitos.

A grande questão é: em qual deles te incluirias?

  1. Scarlett O’Hara em “E Tudo o Vento Levou”, 1940

O que seria da moda sem a comunidade LGBT?

O guarda-roupa inolvidável de Vivien Leigh foi projectado pelo famoso designer Walter Plunkett. Ele tem sido citado como um dos “melhores estilistas gay de Hollywood” pelo Los Angeles Times.

  1. Marlene Dietrich em “Pânico nos Bastidores”, 1950

O que seria da moda sem a comunidade LGBT?

O filme de Alfred Hitchcock atribuí a Christian Dior, quem de acordo com o The Daily Beast “não era abertamente gay”, mas “foi um dos designers homossexuais mais influentes do século XX”, como estilista.

  1. O estilo de Marilyn Monroe em “Quanto Mais Quente, Melhor”, 1959

3

Orry-Kelly também é responsável pelo estilo sexy de Marilyn Monroe no filme em  Inglês “Some Like it Hot”.

  1. O smoking Yves Saint Laurent. 1967

4

Yves Saint Laurent revolucionou a moda feminina com o seu smoking inspirado em Le Smoking para mulheres.

O documentário de 2010 intitulado “L’Amour Fou” relata a relação e o relacionamento com o seu amante de sempre Pierre Berge.

  1. A transformação de Sandy Dee de Olivia Newton-John, 1978

5

O estilista gay Albert Wolsky foi responsável pela memorável roupa usada pelo elenco de “Grease”, incluindo a transformação de Olivia Newton-John’s de uma calma e afável menina a símbolo sexual.

  1. O soutien de cone de Madonna, 1990

6

Madonna estreou o infame soutien de cone, desenhado por John Paul Gaultier, em tournée no Japão. Ele contou ao The Cut a sua doce história que saiu em 2014.

  1. Britney Spears nos MTV Vídeo Music Award, 2001

7

O equipamento emblemático de Britney Spears desenhado pela dupla de estilistas Kurt & Bart, foi a leilão por quase um milhão de dólares (cerca de 900 mil euros) em Maio de 2017.

Bart disse uma vez a Hypebeast que a sua inspiração vinha, em parte da cena dos clubes dos anos 80 em Nova Iorque. “Vestir-se e sair cada noite era uma forma de sociedade e também uma espécie de família alheia, especialmente na comunidade gay”, disse.

  1. Lady Gaga nos Grammys, 2010

8

Embora muito privado, Giorgio Arman, uma vez fez alusão à sua bissexualidade para uma entrevista na Vanity Fair.

Ele também desenhou o guarda-roupa de Lady Gaga para os Grammys em 2010, incluindo esta peça acima.

  1. Julia Roberts em Valentino, 2001

15

Roberts ganhou o melhor vestido de todos os tempos neste impressionante vestido de Valentino nos Óscares em 2001, onde também ganhou o prémio de melhor actriz pelo seu papel em Erin Brokovich.

  1. Rihanna nos prémios CFDA, 2014

10

Rih aceitou o prémio “Fashion Icon” nos prémios CFDA com um vestido totalmente transparente de Adam Selman. O namorado de Selman, Mel Ottenberg, também está na indústria; é um estilista famoso. Os dois trabalham juntos.

Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados