Quando o sexo deixa de ser sexo e começa a ser perigo

Quando o sexo deixa de ser sexo e começa a ser perigo

Sim, todos sabemos os benefícios do sexo, no entanto, quando ouvimos que existem jogos sexuais perigosos, pensamos que são lendas urbanas. No entanto, essas práticas são mais frequentes do que aparentam, especialmente entre os mais jovens.

Todos os anos ocorrem milhares de gravidezes indesejadas e grande percentagem dos diagnósticos de HIV ocorrem por meio de qualquer um desses jogos. É por isso que acreditamos que é aconselhável alertar-te sobre os perigos de algumas práticas.

  1. O jogo do cais

Também conhecido como Roleta Sexual, consiste em fazer um círculo com rapazes, onde várias raparigas são penetradas durante 30 segundos por cada um deles até que apenas um fique. O primeiro que ejacular perde e o preservativo, é claro, não é usado. O perigo não é apenas porque existe um alto risco de gravidez, mas também pode transmitir doenças sexuais.

Quando o sexo deixa de ser sexo e começa a ser perigo

  1. Bareback e Serosorting

É uma prática homossexual e é uma das mais perigosas. O “bareback” consiste em  ter relações sem preservativos e derivado dessa prática surge o “serosorting” em que  se procuram as pessoas não infectadas pelo HIV para o praticar. E o mesmo entre os afectados. Não obstante, ainda há um mais alarmante: o “Fuck of Death” em que o que se procura é ser infectado.

  1. Chemsex

Esta prática é realizada quando há drogas envolvidas e  consiste em compartilhar seringas enquanto se pratica sexo em festas privadas, facilitando a disseminação do vírus da SIDA e até mesmo da hepatite.

  1. Stealthing

Este é o mais perigoso porque ocorre sem consentimento. O “stealthing”, que em português significa sigilosamente, consiste em tirar o preservativo durante as relações sexuais sem que a parceira esteja consciente disso, pelo que entre dentro das leis que abarcam agressões sexuais. Algumas pessoas, inclusive, colocam rapidamente outro no final do acto, para que a parceira não saiba o que aconteceu.

Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados