Sharon Stone ri-se sobre assédio sexual

Sharon Stone ri-se sobre assédio sexual

Numa entrevista à televisão, Sharon Stone respondeu a uma pergunta tão abertamente que não precisava de palavras

Se algo devíamos ter aprendido, seguindo a onda de testemunhos de mulheres no sector cinematográfico que relatam casos de assédio sexual, é que essas situações não foram episódios isolados. Há algo sistemático, numa indústria marcada por vertiginosas relações assimétricas de poder, e muito de estrutural, numa cultura em que a visão das mulheres é mais próxima da de uma mercadoria do que a de ser humano. Tudo isso é capaz de definir o riso de riso de Sharon Stone, quando numa entrevista à CBS, lhe perguntaram se teve qualquer experiência de assédio sexual ao longo da sua carreira na indústria do entretenimento, breves segundos em que as palavras não são necessárias.

Cheguei aqui sem qualquer protecção. Eu já vi tudo

Então, antes de responder, Stone mantém com o entrevistador um olhar honesto, nu, o que faz por si só (e o espectador também) encontrar para si e dentro dele a resposta. “Estou neste ramo à quarenta anos, Lee”, respondeu Stone. “Podes imaginar como era o ramo, quando cheguei, há quarenta anos? Com a minha aparência, vindo de um lugar perdido na Pensilvânia? Cheguei aqui sem qualquer protecção. Eu já vi tudo”.


O eco global do movimento #metoo ratifica que esta é uma questão que, se for explicitada, raramente será respondida com uma negativa. Em todos os países do mundo, em quase todos os tipos de contextos. O riso e o olhar de Stone mostram que a resposta é tão óbvia que a pergunta precisa ser mais complexa, mais específica e também que a conversa chegou a um novo estágio comum que nos permite avançar no caminho que vai do particular ao geral, para conhecermos e revermo-nos como uma sociedade.

Por esta razão, Sharon Stone juntou-se ao movimento #WhyWeWearBlack no tapete vermelho dos Globos de Ouro, onde todas as actrizes se vestiram de negro como uma queixa contra o assédio sexual e em solidariedade com as vítimas.

Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados