Sim, o orgasmo perfeito existe!

Sim, o orgasmo perfeito existe!

Se juntares o orgasmo vaginal ao clitoriano,  podes ter a melhor experiência sexual de toda a tua vida. Por outro lado, e porque o orgasmo não é igual e todas as mulheres, a verdade é que todas tentam alcançar o máximo de prazer mas nem sempre conseguem.

No entanto, colocando de parte as dificuldades, os sexólogos são unanimes ao afirmar que qualquer mulher saudável pode atingir o clímax, inclusive os múltiplos,  desde que continuamente estimulada.

Para conseguir um orgasmo muitas mulheres acreditam que só em determinadas posições o que é um mito: isto porque a mais indicada é aquela em que as mulheres têm mais prazer ou gozam mais.

Existe o orgasmo perfeito?

Segundo as sexólogas Sadie Allison e Yvonne Fulbright,  um orgasmo é perfeito quando vem de orgasmos simultâneos (vaginal e clitoriano). Elas revelaram à revista Cosmopolitan algumas ideias de como obter os dois tipos de orgasmo em simultâneo.

Então, o que fazer? 

Ponto G: descobrir a localização do “ponto G” faz com que a combinação dos orgasmos aconteça de forma mais fácil. Quanto mais texturas, velocidades e formas entram em jogo na relação, mais terminações nervosas são estimuladas, o que torna o orgasmo vaginal e clitoriano mais provável de acontecer. O ideal é ele usar a língua, os dedos e até mesmo um vibrador, sempre variando de velocidade.

Olha para ele: observar o teu parceiro em cima de ti ajuda-te a concentrar nas sensações que estás a experimentar atingindo o clímax. Durante o sexo oral, mantém o olhar fixo no teu parceiro, sem qualquer vergonha ou preconceitos.

Usa lubrificante: para a sensação ser agradável e o contacto suave como seda, não deixes de recorrer aos lubrificantes na zona do clitóris.

Velocidade: o orgasmo vaginal leva mais tempo a ser alcançado do que o clitoriano. Quanto mais tempo durar a relação sexual, maior é a quantidade de sangue que corre pelo corpo provocando estímulos de prazer.

Tenta a posição de quatro: é ideal para conseguires a combinação dos dois tipos de orgasmo. Primeiro, o ângulo do corpo facilita o teu parceiro a atingir o “ponto G”, e além disso, como ele não terá que sustentar o corpo com os braços, pode usar as mãos para massajar o clitóris durante a relação.

Usa uma almofada: coloca o objecto sob os glúteos para tornar o “ponto G” mais acessível ao teu parceiro. Mudar a inclinação da relação sexual faz com que no momento da penetração o homem encontre a região que proporciona mais prazer à mulher. A posição permite ainda que a mulher massage o próprio clitóris.

Sê moderna: em vez de fazeres apenas os movimentos usuais do sexo, tenta girar o quadril em círculo ou pede a ele para balançar o pénis para frente e para trás durante a relação. Os movimentos mais subtis estimulam o “ponto G”.

Mulher por cima: tenta a posição de “cowgirl” no sofá com o teu parceiro, com as costas apoiadas nas almofadas e sentada no colo dele. Durante a relação sexual, o homem pode estimular o “ponto G” da mulher com os dedos.

Tesoura sensual: cruza as pernas, de modo a que as coxas fiquem unidas. , Segundo as especialistas, a posição desperta o clitóris.

Zonas erógenas: amplia os locais estimulados para sentir ainda mais prazer. Pescoço, mamilos e orelhas são exemplos de regiões que podem aquecer a relação.

Pompoarismo: tentar apertar o pénis dele durante o sexo aumenta as sensações vaginais. Por isso, pratica exercícios para fortalecer as paredes da vagina.

Encontra sozinha o orgasmo: Usa um vibrador e estimula o ponto G e o clitóris ao mesmo tempo. O conselho das especialistas é para também explorares posições diferentes com o aparelho.

Sem comentários ainda

Comentários estão encerrados