O yoga, o sexo e a individualidade

O yoga ajudar na altura de uma relação sexual, principalmente quando a queremos mais apimentada. Mas como?

Muitas pessoas já descobriram que a yoga ajuda bastante na altura de atingir bem-estar do corpo, mente e espírito, com esforço e meditação que nos fazem olhar para nós mesmas e aumentar o nosso auto conhecimento de forma física e espiritual.

No entanto, o que muitas mulheres ainda não descobriram é que, quando encaram as coisas de forma certa, a prática também pode trazer uma série de benefícios na altura de um envolvimento mais “hot” com alguém.

Abrires a tua mente durante a prática do yoga e na altura do acto sexual pode levar a uma verdadeira bênção, pura alegria e um prazer tão intenso que antes seria inimaginável. Soa apetitoso? Então não deixes de seguir as sugestões para teres sempre relações sexuais inesquecíveis.

1 – Conhece-te a ti mesma

Townsend afirma que possuir um bom relacionamento com o teu próprio corpo é um dos passos mais importantes para um sexo realmente bom. Embora desconheceres o teu próprio prazer possa parecer algo estranho para algumas, para outras isso é uma realidade.

Com a prática de yoga, é possível conheceres o teu físico mais profundamente, descobrindo o que pode causar desenvolvimento, fortalecê-lo e reafirmar a sua presença tanto no colchão do yoga como na cama – ou em qualquer lugar que o sexo te seja apetecível.

2 – O teu poder interior

Estabelecer uma conexão verdadeira com o teu corpo leva à percepção da verdade profunda de que tanto uma óptima sessão de yoga quanto o sexo realmente fenomenal não dependem apenas de uma boa técnica, mas sim de uma forte sensação de presença. Segundo as técnicas e ensinamentos do yoga, esse sentido pode ser descrito como o conhecimento da tua própria força vital ou do poder divino em ti.

Para melhor o entenderes, basta lembrares-te do momento em que te tenhas sentido mais viva, como se o teu corpo fosse uma porta aberta para toda a tranquilidade, beleza, sensualidade e divindade que existe em ti. Ao entender o teu corpo como ferramenta para um despertar verdadeiro, terás acesso a um verdadeiro portal de prazer que te deixará mais eufórica do que qualquer droga existente.

3 – Devagar é melhor

Outra forma por meio da qual a yoga proporciona relações sexuais maravilhosas é a maneira como a prática nos ensina a desacelerar. Quando estamos na correria do quotidiano, ficamos tão viciadas na sensação de estarmos “ocupadas” que essa sensação de urgência para concluir tudo também acaba aparecendo na altura das preliminares e do acto em si.

O tempo médio de uma sessão ao fazer amor é menos de sete minutos. Vamos admitir, lavamos mais tempo a tomar um café. Devemo-nos lembrar que somos nós mesmas que decidimos os  nossos afazeres, pelo que também nos cabe a nós decidir o que é prioridade e ir com calma, abrindo espaço para nos conectarmos com os nossos corpos e com as pessoas que amamos.

4 – O sexy é relativo

A pressão da sociedade costuma indicar que a sensualidade está directamente ligada ao tamanho, peso e forma física de uma pessoa, levando pessoas mais “fortes”  a sentirem-se sem valor por não estarem de acordo com esse padrão. Isto pode ficar tão grave que muitas vezes chega a causar auto privação, problemas alimentares e psicológicos e até mesmo a depressão profunda.

Embora se saiba que muitas mulheres acima do peso estão entre as mais sexys do mundo e que ser magra não é sinónimo de sensualidade, não te  sentires atraente impossibilita que as pessoas consigam atingir uma excitação verdadeira. Nesse sentido, o yoga auxilia por ajudar a balancear o nosso peso, hormônios e, principalmente, a forma como pensamos sobre nós mesmas.

5 – Sem vergonhas

Embora o mundo tenha progredido bastante com relação ao passado não tão distante, é um facto que ainda existem muitos tabus, vergonhas e hábitos nocivos quando o assunto é a nossa relação com os nossos corpos e com a nossa sexualidade. Homens que não tratam mulheres como objectos carnais são taxados como gays ou impotentes, enquanto mulheres sexualmente abertas e activas rapidamente ganham a fama de “públicas”.

No caso das mulheres, em especial, explicitar o seu lado sexual frente à sociedade leva-as a serem consideradas – e a considerarem-se “engates”, gerando  uma vergonha que as faz esconder  a sua sexualidade para se enquadrarem no arquétipo da rapariga boa  ou da virgem.

O yoga é uma ferramenta que ensina que, na realidade, todas as coisas são uma só, de forma que somos entidades sexuais radiantes e pessoas inocentes ao mesmo tempo.

6 – Beleza para toda a vida

No yoga, o cumprimento “Namaste”  que é acompanhado por um gesto de curvatura respeitadora – serve como uma forma de nos lembrarmos e honrar e venerar uns aos outros. De forma similar, a união sexual também se pode tornar uma forma de honrar a energia que vive em nós mesmas e na pessoa que amamos.

Sem comentários ainda

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será divulgado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.